Metodologia
Projeto Tela Crítica

 

Objetivo Geral

O Projeto Cinema Como Experiência Crítica é um projeto pedagógico que busca utilizar a análise de filmes para discutir conteúdos temáticos da sociologia. Através da análise da forma e do sentido do filme, procura-se apreender sugestões heurísticas interessantes capazes de propiciar uma consciência crítica da sociedade global.  Além de desenvolver dinâmicas de análises criticas do filme, o Projeto Cinema como Experiencia Critica busca incentivar a produção de filmes independentes que tratem do mundo do trabalho (com a Mostra CineTrabalho) e promover a produção de conteúdos audiovisuais através da Oficina de Video Tela Crítica/Projeto CineTrabalho/Praxis Video.

Portanto, na nova proposta do Projeto Tela Crítica apresentada em 2007, busca-se incorporar na idéia do cinema como experiência crítica, outras atividades de ação midiática, como a Mostra CineTrabalho, a Oficina de Video Tela Crítica e o Projeto CineTrabalho/Praxis Video, espaços organizados de produção de conteúdos audiovisuais voltadas para a dinâmica de análise critica dos filmes e o desenvolvimento da consciência critica através da prática auto-refletiva de grupos comunitários.

Além disso, esboça-se os rudimentos de uma pedagogia de subjetivação ou prática de formação intitulada Projeto Praxis de Formação Atra'ves da Pésquisa-Ação Midiática (em elaboração).

 

Histórico

A partir de 2004, o Projeto Tela Crítica tornou-se um Projeto de Extensão Universitária, cadastrado no banco de dados de projetos de extensão da UNESP (Universidade Estadual Paulista). Foi um importante marco para as nossas iniciativas em utilizar o filme como pre-texto para uma reflexão sociológica crítica. Na verdade, desde o ano de 2002 desenvolvemos uma prática pedagógica de análises de filmes em sala de aula. Nesse período, lecionamos Teoria Sociológica na UNESP/Marília e tivemos os primeiros experimentos pedagógicos do cinema como experiência crítica. Buscávamos não apenas utilizar o filme para ilustrar conteúdos didáticos, como é comum na prática didática entre professores de sociologia, mas, sim, desenvolver uma metodologia de análise critica e um determinado “olhar” sobre o filme, buscando apreender seus múltiplos elementos, sua forma e seu sentido, como diria Eisenstein, e algo mais: eixos temático-conceituais que pudesse ser objeto de uma reflexão crítica sobre a sociedade burguesa.

Em 2003, lançamos um curso de extensão universitária que pode ser considerado atividade pioneira e inovadora no ensino de sociologia do trabalho. O curso intitulou-se “Trabalho e Sociabilidade”, onde procurou-se utilizar filmes para discutir problemas do mundo do trabalho. Podemos considerar 2003 o ano de lançamento da proposta pedagógica do cinema como experiência crítica, nome original do Projeto Tela Critica. Foi em 2003 que o Projeto Cinema Como Experiência Crítica passou a ser parte integrante da programação dos Seminários do Trabalho, evento tradicional da UNESP-Marilia, organziado pela RET (Rede de Estudos do Trabalho). Discutimos o filme “Tempos Modernos”, de Charles Chaplin.

Foi em 2004 que lançamos o site do Projeto Cinema Como Experiencia Critica ou Projeto Tela Critica, com análises de filmes e uma revista eletrônica (a revista Tela Crítica, primeira revista de sociologia e cinema do Brasil). Além disso, como dissemos, 2004 é o ano de lançamento do Projeto de Extensão Universitária Tela Crítica, com sua primeira dinâmica de análise de filmes e o I Colóquio Tela Crítica (com apoio da Fundunesp e da PROEX-UNESP). Em 2004, lançamos os primeiros cd-rom's da série Tela Crítica: "Tempos Modernos" e depois, "Beleza Americana".

A proposta de utilizar filmes para discutir temas de sociologia do trabalho seria retomada em 2005, num curso de extensão universitária à distancia intitulado "Trabalho e Sociabilidade - O Mundo do Trabalho Através do Cinema". Foi outra iniciativa pioneira do Projeto Tela Crítica. Além das aulas escritas, produziram-se, para este curso de extensão virtual, vários cd-rom's de análise de filmes como suporte midiático às atividades pedagógicas à distância. Em 2006, lançamos o mesmo curso de extensão em versão presencial. O livro "Trabalho e Cinema" (Ed.Praxis), lançado em 2006, é resultado deste experimento pedagógico primordial.

Em 2006, o Projeto Tela Critica lançou a Mostra CineTrabalho, mais uma proposta inovadora do cinema como experiencia crítica, que busca, deste modo, não apenas analisar o filme numa perspectiva critica, mas incentivar a producão de filmes independentes que tratam do mundo do trabalho. Com a Mostra CineTrabalho constituiu-se mais uma etapa do projeto cinema como experiencia critica, onde se coloca a importânia nao apenas da analise critica do filme, mas a necessidade do incentivo à produção de videos e filmes independetes sobre uma dimensão essencial da sociedade burguesa - o mundo do trabalho. Inclusive, na proposta da Mostra CineTrabalho se coloca a idéia da mostra intinerante articulada com redes de cineclubes, escolas, associações comunitárias e sindicatos, consttuindo um amplo espaço de visibilidade do mundo do trabalho.

Em 2007, surge mais uma inovação na proposta primordial do cinema como experiência critica: a idéia das Oficinas de Video Tela Critica, espaço de produção de videos independentes e de pesquisa-ação de grupos comunitários através da produção de conteúdos audiovisuais. São verdadeiras escolas de cinema compormetidas com a produção de iamgens em movimento para a dinâmica de ana'lise critica do filme e de re-significação/desconstrução das imagens dominantes.

Enfim, a inovação contínua da proposta do cinema como experiênia crítica signiificam que não se deve apenas buscar a analise critica de filmes ou incentivar a sua produção através da mostra de videos e filmes, mas produzi-los efetivamente, constituindo grupos comunitários produtores de imagens do mundo social capazes de re-significar a percepção da realidade social. As etapas 2 e etapa 3 do Projeto cinema como experiencia critica são etapas complementares da idéia primordial do Projeto Tela Critica.

 

As Etapas do Cinema Como Experiência Crítica

 

O Projeto Tela Crítica – Cinema Como Experiência Crítica é um projeto de extensão universitária cuja proposta primordial é utilizar a análise do filme para discutir temas de sociologia numa perspectiva critica. Este é o objetivo essencial da prática pedagógica do cinema como experiencia critica. Ele surgiu a partir de dinâmicas de analise dofilme.

Portanto, num primeiro momento, o Projeto Tela Crítica desenvolve o que é a etapa 1 de sua proposta metodológica: constituir dinâmicas de análises criticas de filmes, a partir da qual se discute temas da saciologia buscando apreender sugestões heurísticas interessantes capazes de propiciar uma consciência crítica da sociedade global. Esta etapa 1 - a etapa principal - é o Projeto Tela Crítica propriamente dito, onde se buscou elaborar uma dinâmica de exibição do filme e análise critica da narrativa fílmica a partir de sugestões temáticas dadas. Foi no bojo desta etapa 1 do Tela Crítica que buscamos desenvolver uma metodologia de análise critica do filme. Na verdade, o Projeto Tela Crítica almejou aperfeiçoar e desenvolver à exaustão, com método e recursos teórico-categoriais, uma prática pedagógica bastante utilizada nas universidades, escolas e inclusive cineclubes (exibir o filme e instauara um debate).

Entretanto, o Projeto Tela Crítica não significa tão-somente exibir o filme e discuti-lo. Busca-se ir além da prática convencional, adotando procedimentos de análise critica que implica numa longa imersão reflexiva do sujeito-receptor na forma e no sentido do filme. Constitui-se uma dinâmica de análise critica. Apresentamos resultados concretos desta metodologia de análise critica de filmes nos cd-rom’s e livros publicados. O material disponível é a prova cabal de que é possivel desenvolver uma metodologia critica que abra um campo reflexivo a partir do filme.

Além disso, a etapa 1 aprimorada implica a adoção de técnicas de dinâmicas de grupo no interior dos quais se desenvolve o processo de aprendizagem critica a partir da discussão da narrativa fílmica. Na verdade, a etapa principal do Projeto Tela Critica exige o aprimoramento de uma metodologia da aprendizagem critica que não se resume meramente à inculcação de conteúdos críticos a partir de um material dado. O produto material – o relatório de análise critica seja na forma de cd-rom, livro ou ensaio crítico – é mais resultado prático de uma dinâmica de análise critica do filme do que ponto de partida absoluto.

Na medida em que o Projeto Tela Critica se desenvolve como método e técnica de análise critica do filme e, principalmente, projeto de extensão universitária voltada para a ação social e política - no sentido da formação humano-genérica - coloca-se a necesidade de desenvolve-lo num sentido mais amplo, incorporando novas interfaces de extensão comunitária. Instaurou-se, deste modo, em 2006, a etapa 2 do Projeto Tela Crítica: a idéia da Mostra CineTrabalho.

Através da Mostra CineTrabalho, o Projeto cinema como experiência critica tornar-se meio de difusão de vídeos e filmes independentes, produzidos por grupos comunitários. Na verdade, a Mostra de video e filmes busca incentivar a produção independente de produtos audiovisuais pelos agentes sociais ligados direto ou indiretamente ao mundo do trabalho.

A Mostra CineTrabalho salienta a temática do trabalho devida a centralidade social do trabalho na sociedade global. Assim, o Projeto Tela Critica latu sensu não apenas incorpora filmes em suas analises criticas, mas torna-se meio de difusão da produção audiovisual ligada a temas sociais relevantes, incentivando, deste modo, a produção de vídeos e filmes independentes tratando do mundo do trabalho.

É preciso dar visibilidade ao mundo do trabalho - eis o compromisso politico da Mostra CineTrabalho. Como diz o mote da Mostra - o mundo do trabalho é invisível. É preciso dar-lhe visibilidade através da ação midiáti em video e filme. A idéia é tornar a Mostra CineTrabalho uma mostra itinerante através de uma rede social de cineclubes, escolas e sindicatos pelo País.

Finalmente, ocírculo do cinema como experiência critica - ou Projeto Tela Crítica latu sensu - se fecha com a fase 3: a Oficina de Video Tela Crítica e a constituição do Projeto CineTrabalho (a dimensão da produção audiovisual independente, incorporando o espírito da Mostra CineTrabalho: dar visibilidade ao mundo do trabalho).

Assim, o Projeto Tela Critica implica não apenas desenvolver dinâmica de analise critica do filme, seu objetivo primordial, ou ainda incentivar sua produção e divulga-lo por meio da Mostra CineTrabalho, mas implica também produzir vídeos e filmes capazes de serem utilizados nas dinâmicas de analise critica.

Enfim, deste modo, o Projeto "Cinema como Experiência Crítica" tende a produzir seu próprio contéudo e refletir sobre ele. Por isso, constitui-se as Oficinas de Video Tela Critica, verdadeiras mini-escolas de produção audiovisual comunitária, voltadas para uma metodologia de estudo, discussão e elaboração de roteiro, técnicas de edição, montagem e produção, comprometidas com a pesquisa-ação midiática e a critica social por meio da formação da consciência reflexiva.

A Oficina de Video Tela Critica busca tornar os agentes comunitários produtores de imagens em movimento. Não apenas se analisa ou se divulga vídeos produzidos por outros, mas se produzen os próprios vídeos que devem ser analisados por meio da metodologia do Projeto Tela Critica (esboça, assim, a metodologia da pesquisa-ação midiática).

A idéia da escola de produção audiovisual Tela Crítica é a conclusão de um processo critico-pedagógico que envolve a comunidade local - escolas e universidades - em práticas de produção audiovisual ou ainda produção de imagens resignificadas: produção/consumo, significação/re-signficação, percepção/subjetivação/consciencia critica.

A maior parte dos núcleos de apoio, grupos parceiros ou colaboradores do Projeto Tela Critica estão ainda na fase 1, a fase primordial constitutiva da idéia do cinema como experiência critica, que busca utilizar o filme para uma análise critica.

A fase 1 é a base material das fases complementares - fase 2 e fase 3. As fases seguintes implicam investimento material e capacidade de pessoal voltada para práticas de colaboração com núcleos de cineclubes e pessoal da área das produção de conteúdo audiovisual.

Projeto CineTrabalho

O Projeto CineTrabalho é um projeto subsidiário do Projeto Tela Crítica que surge em 2008 e se volta para a produção audiovisual de documentários de curta e média duração sobre o mundo do trabalho, utilizando- se da Oficina de Video Tela Crítica como base de formação técnico-metodológica e da Praxis Video como empreendimento de produção audiovisual propriamento dito (a logomarca que assina as produção de video do Projeto Tela Crítica).

É uma extensão da Mostra Cinetrabalho - parte compositiva do Projeto Tela Crítica, no seu sentido mais amplo, voltada apenas para a produção audiovisual. Na verdade, a Mostra e o projeto são elementos de uma política de visibilidade do mundo do trabalho no campo imagético. Além disso, tanto a Mostra como o projeto, tratam de videos e filmes que podem ser apropriados pelo projeto Tela Crítica strictu sensu como meio de reflexão critica sobre o mundo burguês.

Em síntese ...

Pode-se dizer que o Projeto Tela Crítica propriamente dito, organiza a metodologia de análise de filmes; a Mostra CineTrabalho, organiza a exibição de videos e filmes que tratam do mundo do trabalho, incentivando, portanto, sua produção independente; e o Projeto CineTrabalho, que adota o mesmo nome da Mostra, organiza a produção de videos sobre o mundo do trabalho (a partir das Oficinas de video Tela Crítica, tendo como logomarca a Praxis Video).

Fecha-se o círculo de ação midiático-politica voltado para resignificar imagens da modernidade do trabalho numa perspectiva critico-reflexiva:

[Análise Critica - Exibição - Produção]

 

Síntese das Etapas e Dicas metodológicas

 

 

Análise Crítica do Filme

 

Análise Crítica do Filme
Perguntas e Respostas


Incentivar e Difundir a Produção do Filme
Mostra CineTrabalho

 


Organizar a Produção Audiovisual
Oficina de Video Tela Critica

Projeto CineTrabalho

Praxis Video

 

 


Organização do Projeto Tela Critica

 

O Projeto de Extensão Tela Crítica, realiza todo ano, dinâmicas presenciais e virtuais de analise de filmes, cujo ponto culminante ocorre nos Colóquios Tela Crítica e cursos de extensão universitária presencial ou à distância, dados anualmente e onde se procura tratar de temas sociológicos a partir da análise de filmes.

Além disso, como resultado concreto das atividades de reflexão sociológica a partir do filme, o Projeto Tela Critica tem publicado no site do Projeto, análises criticas de filmes, além de lançar a série de cd-rom's com apresentações de análises de filmes e livros que sintetiza a experiência de reflexão critica desenvolvida nos cursos de extensão e dinâmicas de análise de filmes (como por exemplo, o livro "Trabalho e Cinema", de Giovanni Alves).

O objetivo primordial do Projeto Tela Crítica é discorrer, através dos filmes, sobre problemas cruciais da sociedade burguesa. É, deste modo, um projeto pedagógico de sociologia e cinema, onde a arte (e o cinema é grande arte moderna), está à serviço da consciência social crítica. Mais do que nunca, salientamos o compromisso irremediável da verdadeira Arte com o conhecimento critico (e dialético) da totalidade social. Isto é, a verdadeira arte tem uma missão desfetichizadora e catártica.

A partir da reflexão crítica instigada pela verdadeira arte, podemos "desconstruir", pelo menos no plano da subjetividade, as alienações que imobilizam a condição humana. Através da arte podemos vislumbrar as energias emancipatórias do núcleo humano esmagado pela sociabilidade fetichizada do capital. O que o Projeto Tela Crítica visa é instaurar uma dinâmica pedagógica que constitua uma experiência crítica da modernidade do capital. É claro que, o que podemos propiciar é tão-somente uma experiência crítica virtual, que não deixa ser efetiva no plano do sujeito cognoscente.

 

O projeto Tela